Home » » Crise na Nicarágua respinga em campanha brasileira

Crise na Nicarágua respinga em campanha brasileira

NF quinta-feira, 19 de julho de 2018 | 23:16:00



Envolvidos em negociações que vão definir o quadro das eleições deste ano, os principais partidos da esquerda brasileira ainda não se posicionaram oficialmente em relação à crise entre o governo da Nicarágua e manifestantes que pedem desde abril a renúncia de Daniel Ortega. Dos principais partidos, só o PC do B se posicionou. 

Indagada pelo Estado sobre o tema nesta quinta-feira, 19, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, preferiu se calar. “O PT vai soltar uma nota sobre a Nicarágua”, disse ela. A última manifestação oficial do PT sobre o assunto foi no início da crise, em 24 de abril, quando o partido adotou uma posição moderada, defendendo uma saída pacífica. 


Durante o encontro do Foro de São Paulo, nesta semana em Havana (Cuba), a secretária de Relações Internacionais do PT, Monica Valente, saiu em defesa de Ortega, segundo representantes de outros partidos brasileiros que integraram o evento. Os partidos e movimentos da América Central e Caribe que integram o Foro de São Paulo aprovaram uma resolução de apoio à Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) a ao seu “líder histórico”, Ortega.


Em sua página, o PT reproduziu um texto da CUT segundo o qual os integrantes do Foro rechaçam “de forma enérgica a política intervencionista dos EUA nos assuntos internos da Nicarágua Sandinista”. A presidente cassada Dilma Rousseff também foi ao encontro.


Monica ocupa o cargo máximo do Foro, a secretaria executiva, é uma das principais lideranças da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), maior força interna do PT, e deve integrar a coordenação da campanha petista à Presidência da República, mas existem posições divergentes no partido. Alguns líderes temem que um posicionamento em defesa de Ortega traga prejuízos eleitorais. Outros simplesmente condenam a repressão. 


Ao Estado, a presidente do PC do B, Luciana Santos, saiu em defesa do governo. “Vemos uma tentativa de setores inconformados com a vitória do Ortega de desestabilizar o governo popular e nacional. É um vale tudo como aconteceu no Brasil e em vários países da América Latina”, disse Luciana. 


O PSOL deve divulgar nos próximos dias uma posição oficial sobre o conflito na Nicarágua. O secretário de Relações Institucionais, Israel Dutra, já se manifestou contra a repressão violenta às manifestações. Segundo a direção do PSOL, se trata de uma posição pessoal do dirigente. Integrantes da cúpula do partido dizem que as declarações de Dutra causaram mal estar na direção da legenda.


Fonte: Estadão



Curta nossa Página

SHARE

About NF

0 comentários :

Postar um comentário