Home » »
MP esclarece morte de Isaac Torres e aponta Jorge de Barra que foi preso na operação Coiteiros como mandante do crime

MP esclarece morte de Isaac Torres e aponta Jorge de Barra que foi preso na operação Coiteiros como mandante do crime

NF sexta-feira, 23 de maio de 2014 | 10:48:00


Do Blog de Sidney Silva - O empresário Jorge Eduardo Lopes, conhecido como “Jorge de Barra” foi denunciado na última segunda-feira pelo Ministério Público Estadual como mandante do homicídio do caicoense Isaac Soares de Oliveira Torres, morto no dia 19 de maio de 2013, no Sítio Cavalcante, zona rural de São Fernando/RN.

De acordo com a denúncia, o crime foi executado por Fernando Pereira Soares e Aldair José Alves, conhecido como “Barata”. O motivo foi uma rixa que tem origem na própria família Lopes, no seio da qual haveria uma séria inimizade entre os irmãos Roosevelt Stardi Lopes, conhecido como “Ruzão”, o seu filho Emídio Lopes e, de outro lado, o próprio Jorge Lopes.

Dessa desavença, que tem origem em questões financeiras da família, Isaac Torres envolveu-se em um entrevero agindo em favor de “Ruzão” e Emídio. Dessa confusão decorreu uma série de ameaças, com grande temor de que mortes ocorressem. Nesse contexto, Jorge foi convencido por Fernando Pereira Soares, que é investigado por vários homicídios, inclusive do próprio genitor em Jucurutu/RN, a matar Isaac Torres, ao argumento de que este era envolvido no mundo do crime e teria contatos e meios de executar Jorge.

Para a execução do crime “Barata” dissimulou amizade com Isaac levando-o para o “cheiro do queijo”, sendo o mesmo assassinado por disparos efetuados por Fernando.

O Juiz Witemburgo Gonçalves de Araújo, em substituição na Vara Criminal de Caicó/RN decretou a prisão preventiva dos três denunciados. Com isso, Jorge Eduardo Lopes passa a ter contra si dois mandados de prisão, um por crime de formação de quadrilha na modalidade milícia privada e agora mais um por homicídio.

Prisões foram mantidas pelo TJRN

O Tribunal de Justiça manteve a prisão dos envolvidos na Operação Coiteiros, sendo denegados todos os habeas corpus, seguindo os réus presos desde o dia 25 de fevereiro deste ano. Os irmãos Henrique José Torres Lopes e Jorge Eduardo Lopes possuem, cada um, mais de um mandado de prisão preventiva e agora para responderem em liberdade os advogados precisariam conseguir a revogação, para cada um, duas ordens de prisão, referentes a processos diversos. O empresário Henrique Lopes além do mandado de prisão por crime de milícia privada, também teve prisão preventiva decretada pela Vara Criminal de Macaíba/RN onde respondia em liberdade por crime de homicídio ocorrido em 2005.

Seis denúncias foram oferecidas


O Ministério Público ofereceu relacionadas à Operação Coiteiros seis denúncias, a primeira por formação de quadrilha na modalidade milícia privada contra Henrique José Torres Lopes, Jorge Eduardo Lopes, Irapuan Monteiro Saldanha, Robson Fabiano Lopes de Araújo, Fernando Pereira Soares, Aldair José Alves, Carlos Wiliano da Silva e Messias Alves Dantas.

A segunda por crime de tortura contra Henrique José Torres Lopes, Veriano Targino Batalha, Aldair José Alves e Jares de Araújo Medeiros em face do espancamento ocorrido na cidade de Florânia/RN do deficiente físico Francisco Edimilson Moura Barbosa, que foi suspeito de prática de furto de um animal em uma propriedade de Henrique.

Referente ao núcleo tráfico de drogas em Caicó/RN, foi oferecida denúncia contra o preso do “Pereirão” Renato Oliveira dos Santos, que segundo as investigações comandaria uma rede de distribuição em diversos bairros de Caicó/RN através dos revendedores: Dalisson de Lima Queiroz, Aldson Vieira de Souza, conhecido como “Cascão”, Cláudio José da Silva, Tatiana Cristina de Medeiros e Poliana Cristina Alves da Silva Azevedo.

Também foi oferecida denúncia em Florânia/RN por tráfico de drogas e associação para o tráfico, referente a grupo liderados por Klébia Monteiro Anulino e Luiz Sérgio Revoredo Júnior e, em Jardim do Seridó/RN, foi denunciado grupo liderado por Regina das Virgens dos Santos.

Relembre a Operação

No dia 25 de fevereiro de 2014 equipes da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Militar, sob coordenação do Ministério Público Estadual, cumpriram mandados de prisão, de busca e apreensão e de condução coercitiva para desarticulação de organização criminosa atuante na região do Seridó do Rio Grande do Norte.

Ao todo 16 mandados de prisão, 65 de busca e apreensão e quatro de condução coercitiva estão sendo cumpridos em seis Municípios da região, incluindo propriedades rurais. Equipes do BOPE e do NOE com especialização em operação na caatinga participam das ações e também equipes com cães farejadores. Participam ainda 14 Promotores de Justiça, no total de 250 profissionais atuando na Operação.

O nome de batismo da Operação, remete a uma expressão popular, de uso tipicamente sertanejo, referente à conduta de “dar coito”, que significa a ação de articular esconderijo, dar apoio logístico (alimentação, dormida, deslocamento), financeiro, lobby, proteger, etc, a foragidos da Justiça, ou a pessoas respondendo a processos e com histórico de valentia, apto a causar temor a populares ou a atividades criminosas em geral.

Em troca, o “coiteiro” tem a seu dispor, em suas propriedades rurais, um grupo de homens temidos e dispostos, advindo dessa relação uma espécie de comensalismo, tirando o “coiteiro” grande proveito, por imporem tais “colaboradores” medo, verdadeiro pavor, efetivo ou potencial, a populares em geral e particularmente a devedores de transações privadas, bem como a possíveis autores de furtos em suas propriedades e até mesmo aos próprios trabalhadores de tais Fazendas.

Ao todo no dia da Operação foram efetuadas 19 (dezenove) prisões em flagrante por crimes de tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo, além de um flagrante por crime de roubo ocorrido a uma agência do Bradesco na cidade de São Bento/PB.


Publicidade
 photo DIFERENCIAL_zps86953e7f.jpg


SHARE

About NF

2 comentários :

  1. Meu amigo gostaria que vcs nos informassem mais sobre a prisão do SOLDADO da PM "Rangel" Vulgo Boboca, que chamava um dos maiores traficantes de Caicó de patrão!
    Esse tipo de pessoa é o pior bandido q tem...
    Ele usa a farda para esconder serviços sujos...
    Inclusive querer bater em inocentes por se confiar na família PM,
    a Pm não devia ter uma pessoa dessa nessa bela instituição!

    Boboca seu Velhaco vamos pagar a quem vc deve né!!!...

    ResponderExcluir
  2. Esse cara disse tudo, se esse soldado rangel"boboca" fosse envolvido com tráfico, vc acha que ele era veaco? Estaria devendo a deus e o mundo?

    ResponderExcluir