domingo, 5 de agosto de 2018

‘Se Congresso aprovar aborto, eu veto’, diz Bolsonaro



O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, disse nesta 5ª feira (2.jul.2018) que vetará a permissão do aborto caso ele seja eleito presidente e o Congresso legalize a prática. A declaração foi feita durante transmissão ao vivo pelo Facebook.

“Se o Congresso aprovar o aborto, minha caneta vai vetar. Mas se o Congresso derrubar o veto, não posso fazer nada”, afirmou.

O militar disse, no entanto, que casos de estupro ou nos quais há risco para mãe são “difíceis” e preferiu não manifestar opinião.

Bolsonaro defendeu a laqueadura como forma de controle de natalidade e falou que não há ministros cristãos no Supremo Tribunal Federal.

“Há algum ministro do STF cristão de verdade? Por que tem 95% da população cristã e não temos um ministro cristão?”

O militar criticou as indicações políticas ao Tribunal dizendo que alguns ministros são “advogados de partidos”. Em 1 determinado momento, citou Rogério Favreto, desembargador que determinou a soltura do ex-presidente Lula. “Ele já foi cogitado para dentro”, disse sobre a possibilidade de Favreto ser cotado no passado para assumir uma vaga na Corte.

Para a Educação, Bolsonaro defendeu a instalação de escolas militarizadas e a criação de um “voucher” pago pelo poder público para que crianças possam estudar em escolas privadas. Seria uma espécie de bolsa de estudo. Bolsonaro acredita que a medida possibilitaria a melhoria do ensino fundamental.

“[Sugiro dar] acesso ao voucher, se o aluno quiser ir pra aula privada, vai. Se quiser, vai pra pública”.

Em relação ao sistema político, o capitão da reserva do Exército disse ser favorável ao voto obrigatório e ao sistema proporcional para Legislativo, tal como é hoje.

“Se dependesse do voto distrital, eu nunca teria sido eleito. Você elege quem tem recurso. A fórmula que está hoje é a menos pior”, disse.

Apesar disso, criticou o modelo de distribuição de cargos políticos e mencionou um acordo do pré-candidato pelo PSDB, Geraldo Alckmin, com siglas do Centrão.

“Vamos supor que Alckmin seja eleito. Senta na cadeira e não mexe em ninguém. Esse Centrão já dominou tudo. Já está tudo ‘acertadinho'”.

A transmissão durou mais de duas horas. Participaram da conversa Allan dos Santos, Bernardo Küster, Flávio Morgenstern e Flávio Bolsonaro, um dos filhos do candidato. Também estava o economista Paulo Guedes, responsável pelo plano econômico de Bolsonaro e que tem a preferência do candidato para assumir o ministério da Fazenda. O vídeo transmissão foi realizada simultaneamente à entrevista de Geraldo Alckmin à GloboNews.

PAULO GUEDES
O economista Paulo Guedes participou da conversa, mas falou pouco. Defendeu a descentralização de recursos públicos, com maior repasse para municípios.

“O dinheiro tem que descer. Pega o exemplo dos EUA. Um país feito de baixo pra cima. É uma pirâmide, tem muito dinheiro daqui para cima. O Brasil está de cabeça para baixo, com muito dinheiro em Brasília”, disse.

O economista voltou a defendeu privatizações, como a dos Correios. Também defendeu que serviços do sistema penitenciário sejam realizados pelo setor privado.

A CONVERSA
A 1ª transmissão enfrentou problemas técnicos no áudio e, por isso, foi dividida em duas partes pela página do candidato.

Eis os vídeos:









Curta nossa Página

Nenhum comentário:

Postar um comentário