sexta-feira, 27 de julho de 2018

Economia dos EUA cresce 4,1% no 2º trimestre



O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu a uma taxa anualizada de 4,1% no segundo trimestre de 2018. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (27), na primeira estimativa feita pelo Departamento de Comércio Americano.

Foi a melhor performance desde o terceiro trimestre de 2014, segundo a Reuters. Os números, no entanto, vieram em linha com as projeções dos economistas.

O crescimento no trimestre foi impulsionado pelo avanço do consumo e pelos fazendeiros acelerando embarques de soja para a China antes que tarifas comerciais entrassem em vigor no início de julho.

A medida da demanda doméstica subiu a uma taxa de 4,3% no segundo trimestre. A produção cresceu 3,1% no primeiro semestre de 2018, colocando a economia dos EUA à caminho de atingir a meta de crescimento anual de 3% do governo Trump.

Os EUA utilizam uma metodologia diferente da feita pela maioria dos países para a divulgação do PIB. No Brasil, por exemplo, o IBGE divulga trimestralmente o crescimento em relação ao trimestre imediatamente anterior e em relação ao mesmo período do ano anterior, e não a taxa anualizada.

Em comparação com o segundo trimestre de 2017, a economia dos EUA cresceu 2,8%.

No começo da semana, Trump publicou em sua conta particular no Twitter que os Estados Unidos têm “os melhores números financeiros do planeta”.

Trumo aposta que o crescimento dos EUA irá acelerar sob suas políticas econômicas. Analistas alertam, entretanto, que o ritmo de crescimento de abril a junho é insustentável porque decorre de fatores temporários.

A Moody’s projeta crecimento de 3% no ano fechado de 2018 e de 2,6% em 2019. Para 2020, porém, as estimativas são de aumento de apenas 0,9%.

“O segundo trimestre foi forte, mas foi compensado por corte de impostos e aumento dos investimentos do governo”, destacou o economista-chefe da Moody’s Analytics, Mark Zandi.

De qualquer forma, as estimativas apontam que o restante do ano provavelmente terá um crescimento expressivo, mas num ritmo menor, ao redor de 3%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta alta de 2,9% para o PIB dos EUA em 2018 e avanço de 2,7% em 2019.

A principal dúvida que paira é sobre a sustentabilidade das políticas de Trump no longo prazo. A Moody’s projeta crecimento de apenas 0,9% para a economia dos EUA em 2020.

Economia dos EUA cresceu menos em 2017

A economia dos EUA cresceu a um ritmo menor que o esperado em 2017, segundo revisão dos números também divulgada nesta sexta. Por outro lado, o nível de poupança dos americanos cresceu, graças a um fluxo de receitas que não havia sido registrado no ano passado.

O crescimento do PIB em 2017 ficou em 2,2%, abaixo dos 2,3% divulgados anteriormente, com pequenas alterações nos anos anteriores.

O governo norte-americano revisa anualmente o PIB do país dos últimos três anos. Mas a cada cinco anos, ele faz uma revisão “mais abrangente”, que considera estatísticas do PIB desde 1929, quando a medição foi iniciada.

A maior mudança na revisão é que a renda dos contribuintes – o lucro reportado à Receita Federal – foi revisada para cima, de acordo com os novos dados. Os ajustes ajudaram a aumentar a receita em US$ 401,9 bilhões, ou 2,4% em 2017, e também em 2016 e 2015.

Essas mudanças foram suficientes para elevar significativamente a taxa de poupança nos EUA para 6,7% em 2017.

A revisão mostrou que, mesmo com todas as mudanças, a atual recuperação econômica que começou em junho de 2009 ainda é a mais lenta que no período pós-Segunda Guerra Mundial.

A taxa de crescimento média anual durante essa expansão foi de 2,2%, inalterada em relação a estimativas anteriores.

A economia cresceu a uma taxa média anual de 2,9% na expansão anterior, que durou do quarto trimestre de 2001 ao quarto trimestre de 2007. Isso marcou um pequeno aumento em relação à estimativa anterior, de crescimento anual de 2,8%.

A taxa média anual de crescimento do PIB de 1929 a 2012 permaneceu inalterada em 3,2%.


G1



Curta nossa Página

Nenhum comentário:

Postar um comentário