segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

MBL estimula candidatura de Flávio Rocha à Presidência da República



O empresário Flávio Rocha, ceo do grupo Riachuelo, é o nome do Movimento Brasil Livre (MBL) para concorrer à Presidência da República. A informação é destaque na coluna do jornalista Lauro Jardim no jornal O Globo neste domingo (28). “Mas Rocha é candidato?”, indaga o próprio Jardim. “Assumidamente, ainda não. Mas aos mais próximos admite concorrer e já começa a montar uma equipe para tal”, responde o colunista.


Lauro Jardim ainda registra que o mote de uma hipotética candidatura de Flávio Rocha será “liberal na economia, conservador nos costumes”.

Recentemente, em Nova York, o empresário lançou o manifesto “Brasil 200 anos” onde criticou os governos petistas, defendeu o livre mercado e convocou o setor produtivo a participar de forma mais ativa da política nacional. A iniciativa ganhou o endosso de outros 12 donos de grandes empresas e de entidades representantes da indústria.

O “Brasil 200 anos” não repercutiu apenas no meio empresarial. Pelo menos dois pré-candidatos à Presidência da República no campo das esquerdas - Manuela D’ávila (PcdoB) e Guilherme Boulos (MTST) - reagiram às propostas liberais de Rocha. Boulos, que pode disputar o Planalto pelo PSOL, está sendo processado pelo empresário.

No ano passado, Flávio Rocha reagiu às ações movidas pelo Ministério Público do Trabalho contra o grupo Riachuelo no Rio Grande do Norte. Uma das ações pede uma indenização de R$ 37,6 milhões por suposto descumprimento de obrigações trabalhistas. O episódio ganhou grande repercussão nacional.




Primeira tentativa

Flávio Rocha já tentou ser presidente da República. Foi em 1994. O empresário tinha 36 anos e exercia o segundo mandato de deputado federal pelo Partido Liberal (PL), que depois virou Partido da República (PR).

Naquele ano, a candidatura de Flávio foi questionada por emissão de bônus eleitorais [recibos entregues aos doadores da campanha]. O comitê do candidato foi acusado de vender esses recibos com deságio, uma forma de disfarçar o caixa 2. Defensor da bandeira do “imposto único”, Flávio desistiu da disputa.

No Minuto




Curta nossa Página

Nenhum comentário:

Postar um comentário