[Notícias Recentes][6]

Brasil
Caicó
Ciência
Curioso
Entretenimento
Esporte
Mundo
Nordeste
PB
Política
RN
Saúde
Seridó
Tecnologia

Mini fábrica de confecções muda vida de mulheres em cidade do interior do RN



Trinta famílias de Passa e Fica vão ver suas vidas mudarem com o projeto de Inclusão Produtiva que envolve a construção de uma mini fábrica e uma loja de confecções. A comunidade de Lagoa do Cipoal, que jamais viu algo do tipo acontecer, agora tem uma unidade fabril quase pronta para se orgulhar. Orçado em R$ 244 mil, o projeto é um convênio com o Governo do RN, por meio do projeto Governo Cidadão, com recursos do acordo de empréstimo com o Banco Mundial, e tem coordenação da Secretaria do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas).


O prédio que sedia a Associação dos Produtores Rurais da Comunidade de Lagoa do Cipoal recebeu um anexo e um primeiro andar, que servirão como lojinha para venda das confecções produzidas e fábrica, respectivamente. A obra está em fase de acabamento. A presidente da Associação e agricultora, Cláudia dos Santos Oliveira, comemora os investimentos que a comunidade está recebendo.

“Isso nunca existiu aqui. É uma grande oportunidade de renda para essas mulheres, pois a maioria é dona de casa e não possui ganho próprio. É uma forma de elas buscarem o próprio dinheiro e ainda preencherem o tempo”, destaca Cláudia. Algumas já costuram, outras vão aprender com as capacitações que serão contratadas pelo projeto.

“A ideia das mulheres de Lagoa do Cipoal é confeccionar fardamentos, shorts, blusas, calças e vestidos para todas as idades. A comercialização se dará nas feiras livres do município e na própria comunidade”, esclarece Vagner Araújo, secretário de Metas, Gestão e Projetos.

Segundo Cláudia, o próximo passo é realizar a licitação para compra das máquinas de costura e, após isso, criar o regimento interno que irá definir o papel de cada uma no negócio. “Se todas levarem a sério, temos tudo para crescer. Queremos fazer o regimento e definir que se alguém desistir, uma pessoa da família possa entrar e dar continuidade. A ideia é não parar com o projeto”, diz.

“Temos uma equipe da Sethas acompanhando e supervisionando toda a obra. A primeira fase foi concluída, a segunda será a aquisição de máquinas e equipamentos para a confecção das peças. A terceira será a realização de capacitações em corte e costura, em informática e em gestão. A quarta etapa será o início da produção das confecções”, declara Julianne Faria, titular da Sethas.

Entre os objetivos do projeto de inclusão produtiva estão fortalecer a organização econômica, social e política dos produtores rurais; ter fonte alternativa de geração de renda para as famílias beneficiadas pelo projeto dentro da comunidade onde moram; melhorar as condições socioeconômicas das famílias envolvidas; inserir a mulher no mercado de trabalho; formar um grupo produtivo para dar continuidade ao processo de ação projetada; oportunizar a inserção dessas pessoas no mercado produtivo, utilizando esta mão-de-obra na mini fábrica de confecções; capacitar as mulheres em confecções, em bordado e coleções de acordo com os novos mercados.




Curta nossa Página


Start typing and press Enter to search