[Notícias Recentes][6]

Brasil
Caicó
Ciência
Curioso
Entretenimento
Esporte
Mundo
Nordeste
PB
Política
RN
Saúde
Seridó
Tecnologia

Cientistas e religiosos se unem para encontrar descendentes vivos de Jesus


anigif-fgcell


Os especialistas estão aproveitando a tecnologia mais recente para analisar artefatos de locais ao redor do mundo, incluindo o Sudário de Turim, o Sudário de Oviedo e um conjunto de ossos recentemente descoberto que se pensa pertencer ao primo de Jesus, João Batista. Espera-se que sua investigação os conduza a uma amostra de DNA que poderia pertencer a Jesus ou a um membro de sua família, para identificar quaisquer laços com pessoas que vivem atualmente.


No novo documentário do History Channel, que foi ao ar no domingo de Páscoa, o geneticista da Universidade de Oxford, George Busby, e o estudioso bíblico, Joe Basile, viajam da Espanha e Itália para Israel, região do Mar Negro para procurar o DNA de Jesus. Entre os artefatos, a equipe investigou o que seriam os “ossos de João Batista”, que foram descobertos na Bulgária em 2010.

Os ossos de 2.000 anos de idade, que mostraram semelhanças com as populações do Oriente Médio, poderiam ser “extremamente importantes”, pois era considerado um primo de Jesus, bem como um discípulo. “Isso significa que os dois compartilhariam DNA”, explicou Busby. “Se encontrarmos outras relíquias supostamente de João Batista, ou um parente próximo de Jesus, poderíamos usar a genética para comparar os dois e ver se eles são prováveis ​​de terem vindo das mesmas pessoas ou de pessoas relacionadas”, disse ele.

“Além disso, temos coleções crescentes de amostras de DNA formadas em todo o mundo, que podemos usar para chegar às origens geográficas das relíquias“, completou. Os pesquisadores também analisaram o Sudário de Turim, um velho tecido pensado por muitos como tendo sido enrolado em torno de Jesus quando foi retirado da cruz, juntamente com textos antigos, e o Sudário de Oviedo, um pedaço de pano manchado com o que seria o sangue de Jesus.

Mas, extrair uma amostra de DNA desconhecida não significa que ele pode simplesmente levar a uma determinada pessoa, pois eles precisariam de uma amostra conhecida para compará-lo. Ainda assim, existem maneiras de que essas amostras possam ser úteis na busca do DNA de Jesus e de sua família, explicou o pesquisador. “O DNA se degrada ao longo do tempo, então podemos testar qualquer DNA extraído de restos antigos para sinais de degradação“, escreveu Busby.

“Isso significa que podemos diferenciar a contaminação moderna dos genomas antigos”, pontuou. “Também podemos tentar tirar DNA do interior dos ossos e sequenciar o DNA das pessoas que são conhecidas por terem entrado em contato com os artefatos para ajudar a distinguir o DNA antigo dos contaminantes modernos“, finalizou. Os pesquisadores esperam que, se puderem encontrar uma amostra do DNA de Jesus, possam então identificar qualquer descendente possível vivendo hoje. Fonte: Jornal Ciência




Curta nossa Página

Start typing and press Enter to search