[Notícias Recentes][6]

Brasil
Caicó
Ciência
Curioso
Esporte
Mundo
Nordeste
PB
Política
RN
Saúde
Seridó
Tecnologia

Pela Constituição "Diretas já" só poderia ocorrer antes do final do ano, depois disso quem escolheria um novo presidente seria os parlamentares

anigif-fgcell


Revista Época

Nas manifestações após o impeachment, de setembro de 2016, alguns pedem "Diretas, Já!". Isso é impossível.

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 20/2016, do senador Walter Pinheiro (PT-BA), pede a convocação de eleição presidencial em outubro. Numa enquete feita na internet pelo site do Senado, com mais de 200 mil votos, 93% aprovam a ideia. A proposta, no entanto, entra em conflito com a Constituição. Presidente e vice têm direito de cumprir até o fim o mandato para o qual foram eleitos. Perdem esse direito apenas se forem cassados, por crime eleitoral ou por crime de responsabilidade. Novas regras para encurtar o mandato ou condicioná-lo à aprovação popular, se aprovadas, valeriam apenas para futuros presidentes.

Para deixar o cargo, o presidente Michel Temer precisa renunciar ou ser condenado por crime — eleitoral ou de responsabilidade. Essas possibilidades são, hoje, remotas. Elas levariam a eleições diretas apenas até o fim do ano.

A Constituição diz que uma nova eleição direta deve ser convocada se os cargos de presidente e vice ficarem vagos na primeira metade do mandato — ou seja, até 31 de dezembro de 2016. Na segunda metade do mandato, o novo presidente é escolhido por eleição indireta, na qual parlamentares escolhem um parlamentar. Uma emenda constitucional poderia mudar essa regra, mas com efeito apenas a partir de 2018. Dificilmente, porém, dois terços do Congresso aprovariam uma emenda que lhes tira o poder de eleger o presidente.


artesenovidades

Start typing and press Enter to search