Ultimas
Aguarde..

‘Não foi a primeira vez em que ele apareceu com criança’, diz testemunha sobre coronel acusado de estupro

anigif-fgcell


Quem vê o coronel reformado da Polícia Militar Pedro Chavarry Duarte, de 62 anos, ostentando as patentes que lhes foram conferidas ao longo dos 42 anos de atividades, não imagina o rastro de crimes que ele deixou até ser preso no fim da noite deste sábado, acusado, desta vez, de estupro de vulneráreis e corrupção ativa. O crime da vez começou a ser desvendado por volta das 20h, quando o agente foi a uma loja de fast food que fica na Rua Barreiros, em Ramos. Lá, enquanto a atendente recebia o pedido de um lanche, ela viu que uma criança acompanhava o coronel reformado no banco do carona. Minutos depois, o coronel foi pegar o sanduíche e a menina de 2 anos, que até então estava vestida, foi vista nua.

— Essa não foi a primeira vez em que ele apareceu com uma criança por aqui — revelou uma testemunha, que relembrou: — Ele se assustou quando a atendente viu a menina, nua e virada para ele, mas continuou ali. Pegou o lanche, desligou os faróis e ficou no estacionamento por volta de 20 minutos. A atendente ficou assustada com a situação e comentou com uma cliente, que ligou para a polícia. Em pouco tempo, os policiais apareceram por aqui — revelou a testemunha.

Ainda segundo o relato, o acusado se assustou ao ver a sirene acesa e tentou sair pelo outro lado, mas foi denunciado pelos cerca de 15 clientes que estavam no local.

— Ele, que nem chegou a sair do carro, ficou muito assustado ao ser reconhecido, com os olhos enormes — acrescentou a testemunha.

Pedro Chavarry Duarte conseguiu fugir, mas foi abordado pelo agentes do 22º BPM (Benfica) na altura do número 576. O acusado tentou subornar os militares, mas foi levado para Cidade da Polícia, no Jacaré, Zona Norte do Rio, e depois encaminhado para o Batalhão Especial Prisional (Bep) da Polícia Militar, em Niterói.

Em nota, a Polícia Militar informou que o coronel reformado, além de responder perante a Justiça comum, também será submetido a um Processo Administrativo Disciplinar que julgará sua expulsão.

“Resolvo tudo na segunda-feira. Na segunda vai fazer sol. Tá ventando, hoje. Vamos acabar com essa ocorrência”, ameaçou o coronel. Ainda de acordo com o relato dos PMs que participaram da prisão, o oficial ainda ofereceu vantagens e fez gestos como se estivesse oferecendo dinheiro.

Minutos depois, uma mulher ainda não identificada apareceu no local e informou que a mãe da menina estava presa e que ela era responsável por tomar conta da criança. Ela foi orientada a comparecer à Delegacia da Criança e Adolescente Vítima para prestar esclarecimentos durante a semana e, portanto não foi presa. No registro de ocorrência, ela aparece como envolvida no caso.Logo depois, uma outra mulher chegou ao local com a certidão de nascimento da pequena. Ela afirmou para os PMs que o oficial dava dinheiro para sair com a garotinha.

Pedro Chavarry Duarte, de 62 anos, é presidente da Caixa Beneficente da Polícia Militar do Rio de Janeiro desde 2010. Na década de 1990, o então capitão Chavarry foi investigado por envolvimento com o jogo do bicho e receber propina do contraventor Castor de Andrade. Ele ingressou na corporação aos 19 anos. Formado em Direito, Chaverry passou pelo gabinete de quatro comandantes-gerais, relações-públicas da PM e membro da mesa diretora da irmandade de Nossa Senhora das Doras da PM. Em 2014, ele foi candidato a deputado federal pelo Rio, pelo Partido Social Liberal, mas não foi eleito.

EXTRA


anigif-pizzaria