[Notícias Recentes][6]

Brasil
Caicó
Ciência
Curioso
Esporte
Mundo
Nordeste
PB
Política
RN
Saúde
Seridó
Tecnologia

Câmara discutiu na calada da noite projeto que poderia livrar quem fez "caixa dois", mas pauta acabou retirada

anigif-fgcell


BRASÍLIA - A possibilidade de votar nesta segunda-feira um projeto que criminaliza o “caixa dois” de campanhas eleitorais, mas abrindo brecha para absolver políticos por crimes deste tipo cometidos no passado, provocou polêmica no plenário da Câmara dos Deputados. A articulação para a votação estaria sendo feita por grandes partidos e tem como lastro uma das propostas apresentadas pelo Ministério Público, que está em debate na comissão especial da Câmara que analisa as dez propostas de combate a corrupção. A manobra foi revelada na coluna de Merval Pereira publicada no GLOBO de domingo e lida nesta segunda-feira, no plenário do Senado, por Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Pegos de surpresa, deputados questionaram a inclusão na pauta de proposta do ex-deputado Régis de Oliveira sobre pontos da reforma política e que seria a base para apresentação de uma emenda de criminalização do caixa 2, que, no entantimento de deputados, permitiria livrar os infratores. Logo na abertura da sessão, diante do burburinho no plenário, o deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) questionou Beto Mansur (PRB-SP), que presidia a sessão, sobre as matérias que estavam na pauta. Mansur falou sobre as medidas principais, mas acabou admitindo que também estava na pauta requerimento de urgência para o projeto de Oliveira.

— A Câmara ficará absolutamente exposta com esse tipo de coisa. Não podemos nos lançar num poço de suspeitas — pediu Miro Teixeira.

Líder do PSOL, Ivan Valente (SP) fez coro ao colega:

— Quem assume que pautou um projeto que vai ser execrado num momento que está para sair delação de OAS e Odebrecht? Vamos votar na calada da noite um projeto de anistia de caixa dois? Caixa dois é crime, como isso veio para a pauta? — perguntou.

No plenário do Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) leu trecho da coluna de Merval Pereira e também cobrou:

— Quero acreditar que o alerta de ontem, feito pelo jornalista Merval Pereira, não venha a se concretizar e não tenhamos a deformação da oitava medida das chamadas 10 Medidas Contra a Corrupção, propostas pelo Ministério Público — disse Randolfe.

Ao GLOBO, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou ter participado de qualquer articulação para absolver políticos de crimes de caixa dois cometidos no passado.

— Não é verdade, não estou articulando isso. Apenas dei minha opinião: se quiser votar

alguma coisa, defendo que seja o texto do MP — afirmou Maia.

Nos bastidores, líderes confirmavam a intenção de votar ainda ontem o projeto no plenário da Casa. A justificativa é de que se trata de proposta defendida pelo próprio Ministério Público e que conta com o apoio de vários líderes. A intenção seria separar o que é caixa 2 e dinheiro doado a partidos fruto de propina. Embora publicamente eles neguem que isso signifique uma liberação pelos delitos passados, admitem que, se o caixa 2 não era considerado crime antes, a nova lei permitiria o entendimento de que só existe crime cometido a partir de sua vigência.

O presidente nacional do PPS, Roberto Freire (SP), disse, no entanto, que a própria Justiça já está entendendo que é preciso separar o que é recebimento de recursos de propina de recursos doados por empresas, mas não foram contabilizados. Segundo ele, o próprio juiz Sérgio Moro tem dito que é preciso tomar cuidado e não misturar as duas coisas.

— O tribunal já está entendendo que é preciso separar. É um grave equívoco discutir e votar isso agora. Melhor é aguardar o tempo da Lava-Jato. Não será bem entendida essa medida — afirmou Freire.

Proposta foi retirada após pressão de Rede e Psol

A reabertura da discussão sobre a proposta que tramita desde 2007 foi encarada como uma manobra e atacada por parte dos deputados, principalmente os da Rede e do Psol. “Corre um boato de que uma emenda aglutinativa está sendo preparada para permitir a anistia de caixa dois”, afirmou Alessandro Molon (Rede-RJ).

Ivan Valente (Psol-SP) acusou “um conluio de partidos de situação e de oposição” de tentar votar “na calada da noite” a anistia do caixa dois. “A sociedade brasileira está cansada de trambique, de maracutaia. Esse projeto precisa sair da pauta imediatamente.” O deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) reforçou: “A Câmara não pode ser emasculada por um ato desse tipo”.

O Globo|Veja


anigif-fta-popular

Start typing and press Enter to search