Ultimas
Aguarde..

Tóquio 2020 quer medalhas olímpicas feitas com eletrônicos descartados

anigif-fgcell

RIO — Os organizadores dos próximos Jogos Olímpicos, em Tóquio 2020, planejam produzir as cobiçadas medalhas de ouro, prata e bronze explorando a “mina urbana” do país, composta de milhões de smartphones e outros produtos eletrônicos descartados. Segundo representantes do comitê olímpico, governo e companhias envolvidas, esses equipamentos possuem metais preciosos suficientes para a produção de todas as medalhas, segundo plano que vem sendo discutido desde junho.

Na Olimpíada de Londres, em 2012, foram usados na confecção das medalhas 9.6 kg de ouro, 1,210 kg de prata e 700 kg de cobre, o componente primário do bronze. Em comparação, a quantidade de metais preciosos recuperados de eletrônicos descartados no Japão em 2014 foi de 143 kg de ouro, 1,566 kg de prata e 1,112 toneladas de cobre, informa o “Nikkei Asian Review”.

Apesar de o arquipélago ser pobre em minas naturais, o ouro e a prata contidos em eletrônicos no país corresponde a 16% e 22% das reservas globais respectivamente, ultrapassando as reservas naturais de qualquer outro país. Normalmente, os comitês olímpicos pedem doações a companhias mineradoras.

A ideia de reciclar equipamentos eletrônicos vai de encontro com a questão da sustentabilidade, uma das bandeiras do Comitê Olímpico Internacional. Mas para que o plano se concretize, é preciso implementar um sistema mais abrangente de coleta de lixo eletrônico. A cada ano, cerca de 650 mil toneladas de eletrônicos e eletrodomésticos são descartados no Japão, mas menos de 100 mil toneladas são coletadas de forma correta para a reciclagem. Além disso, boa parte do material recuperado já está sendo reutilizado na produção de novos produtos.

— Nós precisamos de um sistema que torne mais fácil para os consumidores a devolução de produtos eletrônicos — disse Takeshi Kuroda, presidente do grupo ReNet Japan, uma das companhias que apoia o plano. — O sistema de coleta deve ser criado pelo setor privado, e os governos central e local devem ser responsáveis pela publicidade dos serviços.


anigif-pizzaria