Ultimas
Aguarde..

Todos os presídios do RN terão bloqueadores de celular em 90 dias, diz Robinson

anigif-fgcell

O governador Robinson Faria disse mais uma vez que não irão recuar diante das investidas criminosas ocorridas desde a última sexta-feira (29), organizadas pela facção Sindicato do Crime. De acordo com ele, a instalação de bloqueadores de celulares deverá ocorrer em todos os presídios no prazo de 90 dias.

“Ontem tivemos uma reunião no GGI [Gabinete de Gestão Integrada]i, onde estamos reunidos quase 24h, com a participação do Ministério Público estadual, Judiciário, discutindo exatamente os mecanismos legais para apressar as tratativas da instalação dos bloqueadores nos presídios”, explicou Robinson.

Robinson afirmou que o sistema prisional atualmente tem servido como “local de trabalho” para os detentos. “Presídios eram utilizados como gabinetes de trabalho. Os presos dentro de seus gabinetes ordenavam os crimes. Tráfico de drogas, homicídios, assaltos a bancos”, disse.

Segundo o chefe do Executivo Estadual, todos as unidades prisionais do Estado deverão ter os aparelhos para bloquear sinais telefônicos, independente da reação provocada pelos bandidos. “Prazo de no máximo 90 dias. Independente de qualquer intimidação”, declarou.

Esse período coincide com a previsão inicial de permanência das tropas federais no Rio Grande do Norte. Ao todo, 1.200 homens do Exército e Marinha irão colaborar com a segurança pública no Estado.

“Nós vamos colocar, por exemplo, lugares estratégicos, ostensivos onde vai estar presente o Exército. Garantir o aeroporto, o comércio, turística, ou seja, o Exército vai estar com sua segurança ostensiva para garantir escolas e hospitais. A policia ficara com mais desenvoltura para realizar investigações e prende suspeitos”, explicou.

Para Robinson a medida de enfrentamento aos grupos criminosos com atuação dentro e fora das penitenciárias é fundamental para obter a melhoria na segurança pública. “Tínhamos que passar por isso para poder ter a vitória lá na frente. Porque senão jamais teríamos um padrão de oferecer tranquilidade para população”, declarou.


erica