Ultimas
Aguarde..

RN completa 12 meses seguidos com queda nas vendas, diz Fecomércio

anigif-fgcell

As vendas do comércio varejista potiguar registraram, em junho, queda de 11,2% em relação ao mesmo período do ano passado. Com isso, o acumulado do primeiro semestre de 2016 no estado já mostra uma queda de 10,3% - percentual considerado muito acima do 1,9% de queda registrado nos seis primeiros meses de 2015 e, até mesmo, dos 5,9% negativos registrados ao longo de todo o ano passado. Com o número de junho, o RN também confirma um novo recorde: pela primeira vez, desde o início da série histórica do IBGE (em 2005), o comércio do estado registra 12 meses seguidos de retração em suas vendas. As informações são da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do RN, a Fecomércio.

Ainda segundo a Fecomércio, os números foram divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE, e voltam a ratificar o momento delicado pelo qual passada o setor de comércio potiguar. Os dados mostraram, ainda, que a queda nas vendas é generalizada. Em junho, 11 segmentos pesquisados tiveram declínio nas vendas, com destaque para os de Equipamentos e Materiais para Escritório e Informática e Livros, Jornais e Revistas, ambos com 18,3% de redução. Os segmentos de Veículos (-12,4%) e de Materiais de Construção (-9,8%) também se destacam negativamente.

“Há indicadores nacionais que nos mostram um início de melhoras no quadro econômico, como, por exemplo, a inflação começando a cair, além de revisões, para cima, do PIB. Mas, infelizmente, nas vendas do comércio potiguar, batemos mais um recorde negativo. Pela primeira vez na história temos um período de 12 meses seguidos de queda nas nossas vendas. O acumulado de 10,3% de queda nas vendas ao longo do primeiro semestre também nos preocupa, sobretudo porque nos força a projetar para este ano uma queda muito acima dos 5,9% que caímos no ano passado. O reflexo disso, claro, aparece no nosso potencial de geração de emprego, que está se esvaindo à vista de todos. É um círculo vicioso muito preocupante”, alerta o presidente da Fecomércio no RN, Marcelo Queiroz.

G1


artesenovidades